sábado, 5 de abril de 2014

Leituras Compartilhadas# O Obsceno Pássaro da Noite - José Donoso



Li O Obsceno Pássaro da Noite junto com um monte de gente interessante à convite da Denise Mercedes, do Blog e vlog Cem anos de Literatura. A discussão aconteceu através do Entre Pontos e Vírgulas. Todo mês correm lá várias leituras compartilhadas. A experiência de trocar impressões sobre um livro é indescritível. Recomendo a ideia. Quem tiver interessado em propor alguma, estou disposta. Então vamos a resenha...

Ainda me sinto tonta... A leitura desse livro pode ser facilmente chamada de experiência. Minhas sensações eram bastante físicas e intensas. A estrutura dele também ajuda a nos dá a sensação de tontura. Em algumas passagens tive dificuldade de saber quem era a voz narrativa. Mas o domínio da escrita do autor é sensacional e me instigou a continuar por essa viagem pela mente do narrador.

O livro nos conta a história de uma casa que abriga senhoras idosas e algumas órfãs também. Conhecemos as dependências da casa através do seu morador mais antigo, o Mudinho. Demorei um pouco para perceber que quem dirigia nosso olhar era o rapaz. Em algumas passagens, percebo a mudança nas vozes. Algumas vezes, cheguei a não saber quem estava falando. E isso deu uma dinâmica incrível na narrativa. O esforço necessário para se compreender as diversas visões e vozes trouxe ao leitor a sensação de insegurança e tensão. Necessárias para que o mesmo perceba o que estava além.

A forma como o autor nos coloca o horror diante da nossa cara é impressionante. Cheguei a sentir nojo, naturalidade, horror. Mas também conheci pessoas por trás de tudo aquilo. O José Donoso me fez repensar algumas ideias e repensar em algumas sensações sentidas. Entender o porquê.

O tempo na narrativa foi outro ponto que me impressionou. Nós leitores não sabemos em que momento estamos e temos que nos segurar para não cairmos depois de uma nova jornada no tempo que o autor nos propõe. Lembrei de autores que utilizam o fluxo de consciência nas suas obras, Clarice, Virginia, Proust, James Joyce.

O adentrar na mente do Mudinho me fez ver o quanto a loucura me atrai. A mente humana é um sótão onde podemos encontrar imagens, lembranças, viagens, pensamentos, sensações... Cada ser é único. Normalmente o que mais me atrai são os personagens, é a questão da mente humana. E segundo, Ian Watt em Ascensão do Romance, o gênero romance é o mais indicado para expressar as experiências humanas.

E a mente louca? Essa é mais interessante ainda, porque é uma mente que não separa mais a fantasia da realidade. Sempre me pergunto se os loucos são realmente loucos ou somos nós que nos esquecemos da fantasia...

José Donoso se tornou um dos meus preferidos. E O Obsceno Pássaro da Noite um mergulho no mais profundo de mim. Foi como reencontrar a mim sem reservas e amarras. Poder ver o humano como um louco ver o mundo, sem filtros. Foi uma viagem a mente... E ainda me sinto tonta...




3 comentários:

Jéssica S. S. disse...

Percebi que este livro é forte. Uns gostam e outros não por quão forte ele é a pessoa. Só quero te perguntar se o efeito do enredo pesado é por conta das palavras que tão este tom agressivo? (Corrija-me se eu estiver falando besteira)
Beijo,
Jéssica.

Lua Anna Costa disse...

Jéssica,
não achei a linguagem agressiva. Acho que a temática é que é forte.Ele nos faz conhecer o ser humano com todas as suas loucuras e horrores. Recomendo a leitura. A estrutura lembra muito a Virginia, apesar da temática ser completamente diferente. E a forma de abordagem também. Recomendo, viu!

Andersson Lima disse...

Presenciei vários momentos da leitura desse livro pela Lua e ouvi muitos comentários. Sempre falava de como esse livro era denso. Agora, com a resenha, fiquei bem curioso pra ler!
Ótimo texto, amiga!

Postar um comentário

Tecnologia do Blogger.

© 2011 Viagens Esquizofrênicas a Lua, AllRightsReserved.

Designed by ScreenWritersArena