quarta-feira, 19 de março de 2014

Poesias para um dia de chuva - Carlos Drummond de Andrade




Oi Gente, 

resolvi fazer a postagem de hoje em homenagem a um amigo que está distante, mas ao mesmo tempo está muito próximo: Bruno do canal des palavreando. Amigo que sei que gosta tanto do Carlos Drummond De Andrade e que me ensinou a gostar também. Nesse dia tão importante pro Nordeste, dia de São José, que nos promete muita chuva esse ano, espero que Drummond faça sua ausência mais feliz e suas pedras memoráveis...

Ausência

Por muito tempo achei que a ausência é falta.
E lastimava, ignorante, a falta.
Hoje não a lastimo.
Não há falta na ausência.
A ausência é um estar em mim.
E sinto-a, branca, tão pegada, aconchegada nos meus braços,
que rio e danço e invento exclamações alegres,
porque a ausência, essa ausência assimilada,
ninguém a rouba mais de mim.

No meio do caminho

No meio do caminho tinha uma pedra
tinha uma pedra no meio do caminho
tinha uma pedra
no meio do caminho tinha uma pedra.
Nunca me esquecerei desse acontecimento
na vida de minhas retinas tão fatigadas.
Nunca me esquecerei que no meio do caminho
tinha uma pedra
tinha uma pedra no meio do caminho
no meio do caminho tinha uma pedra.


2 comentários:

Bruno LazzFar disse...

Anna, adorei as poesias.
Sempre um deleite ler e reler as poesias deste poeta tão querido!
Você já ouviu o próprio recitando a poesia que - talvez - o deixou mais famoso?
Aqui: https://www.youtube.com/watch?v=A3aVWGAMsMk ♥♥♥♥

Abraaaaaaação, Bruno.

Jéssica S. S. disse...

Drummond é realmente encantador! Obrigada por deixar aqui em seu blog um pouco de poesia para reler um autor que aquece a alma.
Beijo,
Jéssica, d´O Feminino dos Livros.

Postar um comentário

Tecnologia do Blogger.

© 2011 Viagens Esquizofrênicas a Lua, AllRightsReserved.

Designed by ScreenWritersArena